Apenas um lugar para a gente pensar junto...

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

SER HUMANO


Pense um pouco e pondere comigo:
1. Como as irmãs de Lázaro se sentiram por Jesus não ter atendido imediatamente ao seu pedido de socorro, sabendo que ele estava a menos de trinta minutos de distância de Betânia? (João 11)
2. O que passou pela cabeça de Pedro ao ver-se flagrado por Jesus após o canto do galo que denunciava sua traição? (Lucas 22)
3. Como se sentiu aquele pai que ao rogar pela cura de seu filho doente em outra cidade, ouviu que podia retornar que o garoto estaria curado? (João 4)
4. Qual terá sido a reação da viúva de Naim ao ver um estranho se aproximar do caixão de seu filho de forma furtiva, minutos antes do restauração da vida do rapaz? (Lucas 7)
5. Como os discípulos olharam para Jesus ao vê-lo dormir enquanto o barco onde estavam se enchia ao ser açoitado pelas ondas? (Marcos 4)
7. O que Pedro, João e Tiago sentiram ao ver Jesus chorando e rogando por sua própria vida em sua última noite? (Mateus 26)
6. Qual o sentimento daqueles mesmos discípulos no Getsêmani ao se perceberem tendo dedicado três anos de suas vidas a um profeta e o verem sendo levado sem qualquer reação ao encontro da morte? (Mateus 26)

Esses episódios são apenas alguns dos exemplos bíblicos que passam despercebidos por nós no aspecto da emoção humana. Eu não hesito em afirmar que ali estavam presentes a decepção, revolta, angústia, pavor e coisas semelhantes. Sintomas que denunciam tão somente a humanidade daqueles personagens.
Nenhum daqueles homens e mulheres eram "super qualquer coisa", mas pessoas de carne e osso enfrentando seus dilemas mais profundos ao se depararem com uma pessoa de quem esperavam, muito provavelmente, uma reação diferente, ou talvez, em um primeiro momento, mais especial.
As irmãs de Lázaro, como eram muito amadas pelo Mestre, certamente esperaram um tratamento diferenciado. Pedro, uma reprimenda imediata vinda dos céus. Aquele pai deve ter esperado mais atenção de Jesus. A viúva certamente se sentiu ultrajada. Os discípulos no barco imaginaram que suas vidas não tinha o menor valor. E os três, ao verem a cena da oração, decepcionaram-se com a fragilidade de alguém que várias vezes se mostrou inabalável e provavelmente lamentaram o tempo que perderam com ele. São todas cenas com cheiro de gente!
Admira-me muito cobrarmos de nós mesmos e dos outros reações diferentes, como se fôssemos melhores que aqueles que conviveram ou tiveram um encontro real com Cristo. A nós é proibido emoções semelhantes como se não nos corresse nas veias sangue. Pura pretensão!
Não me atrevo a ir além daqueles porque não me vejo em situação mais privilegiada. Sou tão humana quanto. Talvez o que nos distinga deles seja a visão posterior de tudo com a certeza da motivação que havia por trás, a própria Bíblia nos esclarece, mas isso não precisa ser necessariamente uma vantagem porque a distância também embota a cor do momento.
Por ser gente dou-me o direito de duvidar, de frustrar-me, de impacientar-me, porque não posso ser diferente nem quero me neurotizar. Preciso diariamente da misericórdia divina porque são essas mesmas reações que me lembram do fosso que há entre nós e Ele.
Sejamos mais maduros. Não alcançamos ainda a estatura de perfeição que nos está reservada e enquanto estivermos por aqui é assim que será, por mais que almejemos o contrário. Querermos diferente é tornarmo-nos candidato à hipocrisia mais deslavada ou a uma vida patética de mero cinismo religioso, o que não valeria um tostão na prática cristã.

Ana Valéria

Texto publicado no jornal O Povo, com o título "Apenas Ser Humano" em 16 de abril de 2011
http://www.opovo.com.br/app/opovo/espiritualidade/2011/04/16/noticiaespiritualidadejornal,2128142/apenas-ser-humano.shtml

3 comentários:

Alaercio Flor disse...

As ações humanas são demasiadas humanas para serem perfeitas.Não podemos ser a régua par medir os outros visto que pela mesma medida que medimos com toda a certeza seremos medidos.É assim que acho , que a vida humana é que faz ser o que é:humano.

Facundo disse...

Tava pensando exatamente sobre isso hoje pela manha lendo a história de José do Egito... Todo mundo que começa a ler a história dele logo cria olhos ternos e esperançosos ao ler sobre este rapaz que comeu o pão que o diabo (ou os diabos daqueles irmãos sem noção)amassou mas que no final deu super certo... Se tornou O Cara do Egito...

Há como eu queria que Deus me tirasse a memória, e eu tivesse oportunidade de ter olhos virgens pra história dele... Nossa, certamente eu ia praguejar um sem números de palavrões a Deus indignado com a dura e cruel sorte desse cara...

Diante deste pensamento e vendo seu texto pensei: exatamente isso! As pessoas passam batido nas reações das pessoas...

Quanto mais estudo os personagens bíblicos, mas aprendo a me permitir a aceitar minhas limitações e me tornar simplesmente humano... Demasiado humano... rsrsrsrsrs

Grande abraço!

Anônimo disse...

Valéria, a humanização do desumano ser humano foi uma das missões mais difíceis de Jesus. Vc já leu Nietzsche em "Humano, demasiado humano"? Talvez o "herege ateu" Nietzsche tenha algo a nos ensinar sobre "humanizar-se". Abraço. Ivo