Apenas um lugar para a gente pensar junto...

sábado, 21 de novembro de 2009

Discurso de uma atéia das Religiões

Fui educada num lar religioso. Desde o princípio sempre me ensinaram a crer em uma divindade. Associaram a ela a minha vida: minha paz, felicidade, saúde, segurança... tudo enfim.
Aos poucos fui crescendo e dissociando os fatos da vida à existência do Sagrado. Já não podia acreditar porque outros acreditavam. Fiz minha busca pessoal. Peregrinei entre muitas religiões e algo me despertou a atenção: como pretensa re-ligação ao Sobrenatural, a religião se perde nas manifestações que em nada representam essa tentativa.
Um dia, enamorei-me do Islamismo. Sua valorização cultural é primaz. A forma como surgiu para unificação de um povo merece elogios. Mas, não entendi uma Jirad, o terrorismo, o massacre contra aqueles que não são seus pares; a supervalorização masculina em detrimento das mulheres. E tudo sob a aprovação de Alá.
Em outro momento o budismo também me encantou. Os princípios ensinados pelos monges são belíssimos. Seu silêncio, seus cantos monossilábicos... O caminho do meio como o mais harmonioso e equilibrado e que deve sempre ser buscado. Mas não entendi a fuga da realidade na meditação em mosteiros tão longínquos. O carma que castiga àquele que nem sabe pelo que está expiando; e uma divindade impessoal e que não ouve aos meus apelos se eu não fizer por onde.
Também já me fascinei com o hinduísmo. Suas cores, suas nuanças, seus aromas e todo o seu misticismo atraem a todo aquele que se inebria com os elementos que retratem o sobrenatural. Mas não entendi os seus milhões de deuses; a preservação de um grupo de pessoas “especiais” na mesma medida do desprezo a outros; e a convivência da bomba atômica e de tantos nobéis com a fome e a extrema pobreza.
Ouvi ainda falar das manifestações afro-religiosas com seus rituais e danças, mas não entendi sua interação com o mal, seus sacrifícios e suas oblações; ou ainda do Espiritismo, com sua ênfase a boas obras, mas me recusei a entender as inúmeras reencarnações pra um dia se chegar ao Bem supremo.
Por último, busquei a religião Cristã. Um deus barbudo, de vestes brancas, que me leva para o céu se eu for boazinha a mim foi exibido. Um deus de recompensa pelos bons atos; de rezas e de promessas; de dias santos e de esmolas. Mas, não entendi as cruzadas; o fundamentalismo que discrimina e mata; a inquisição que mandou tantos à fogueira; a intolerância dogmática aos que estão marginalizados; o legalismo que separa e oblitera a comunhão. Não entendi também a crueldade das nações ricas ditas cristãs na indiferença as mais pobres e na preservação conveniente do abismo social que há entre elas. Tudo isso em nome desse deus.
Assim, desisti da religião.
Hoje sei que mais que religião o mundo precisa de amor. Um amor que faça a diferença; que se escandalize com a injustiça; que escute o clamor do desvalido; que lute a causa do aflito; que una os diferentes; que supere a distância dos credos; que transforme o substantivo num verbo e que ande de mãos dadas com a paz.
Hoje não quero religião. Conheci alguém que viveu assim, conheci Jesus. Quero, então, fazer da atitude dEle, que deu a vida por mim, a razão pra que eu continue a viver. Fiz minha opção: sou “atéia das religiões”; mas também uma amante da vida e uma sonhadora de um mundo que pode ser bem melhor.

3 comentários:

Ivo Fernandes disse...

Faço coro contigo mana.

http://ivofernandes.blogspot.com/2008/11/religio.html

Abraços

Edilson de Holanda disse...

Concordo, Valéria. E, realmente, quanto mais conhecemos as entranhs das religiões, mais vemos o quanto elas não conseguem refletir o Deus bíblico (incluindo as cristãs)!

É que é complicado seguir uma pessoa (Jesus), em vez de uma instituição (com ou sem imagens)!

Paz!!!

Flores disse...

Valéria, seu texto replete a realidade como é. Definitivamente religiões só foram criadas pra arrecadar dinheiro e motivar guerras. Se fosse tão boa quanto parece não haveriam tantas guerras. Enquanto batalhamos dia após dia pra conseguir o feijão de cada dia o papa senta na sua privada de ouro e prega o combate a miséria. Isso é hipocrisia. A sede de amor é maior do que a sede de qualquer outra coisa.
Abraços
Paz e amor pra vc e sua família.